domingo, 1 de agosto de 2010

A mão da PAZ vem até mim!



Sinto-me só, mas não entendo!

Sinto-me só,
mas não entendo;
aceito, mas sofrendo.

Deixa-me sinais…
…no meu corpo,
na minha mente!

Por vezes inquietante
e outras angustiante.
Fecho os olhos:
medito e recordo
o passado pouco distante:
vejo as imagens
dos amados que partiram;
dos amados que ficaram.
Procuro-os…
Mas…
preciso de viver…
amando e ser amado,
por aqueles que pairam
comigo neste cativeiro terreno
e pelos outros que já pairam
ainda sem mim,
num mundo mais feliz!

Assim sente:
meu corpo e minha mente!


Desilusão

Se tenho desilusão,
já tive ilusão!

Ilusão
como um homem
que se dá,
usa boa fé,
sorriem-lhe,
é bestial,
e outras coisas tal!

No fim
olho à minha volta;
uns tantos sinceros,
outros simpáticos,
e o resto:
indiferentes
que respeito,
apenas respeito!

Serei sempre o mesmo,
com ilusões
ou desilusões!

José Manuel Brazão


»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»


Zé, todos já nos sentimos sós na vida,
choramos, crescemos, e aprendemos a viver ainda que acompanhados, muitas vezes sozinhos...

A nossa melhor companhia, é a paz que no silêncio conseguimos abraçar, essa mesma paz, ela faz-nos caminhar e das dores alhear. é a vacina contra sismos e dores, já nada enxergamos quando olhamos para cima e deixamos de olhar para o lado, apenas sentimos e vem assim como essa pomba da paz!



Sentes -te só
e não entendes
aceitas e sofres!

Acompanho-te
no pensamento
e entendo-te,
estendo-te a mão
e sossegas!

Anseias por sinais
no teu corpo
na tua mente!

Um sinal de paz,
e contentamento
que aquieta
o pensamento.

Por vezes inquietante
mas agora sossegado
e outras angustiante,
mas agora restaurado
Fecho os olhos:
abres os olhos
medito e recordo
sorris e recordas
o passado pouco distante:
o passado agora distante:
vejo as imagens
vês as imagens feliz
dos amados que partiram;
e fica na memória,a alegria
dos amados que ficaram.
Corro a abraçá-los
mas não espero
dou o que tenho
sem nada esperar
em troca,
Procuro-os…
Encontro-os
no amor que derramei
agora dentro de mim...

Mas…
Agora
preciso de viver…
vivo...
amando e ser amado,
tens pessoas que te amam
por aqueles que pairam
por aqueles que ao teu lado caminham
e aqueles que se encontram distantes
mas presentes...
comigo neste cativeiro terreno
comigo nesta plena liberdade
e pelos outros que já pairam
e pelos outros que
para além do céu azul
ainda sem mim,
encontrarei um dia por fim...
num mundo mais feliz!
num céu onde a alegria reinará!

Assim sente:
Assim sente e oscila,
meu corpo e minha mente
em meio à tristeza e alegria,
mas tudo faz parte da vida!

Para te animar Zé, apenas uma mão estendida com o coração na mão.
Abraço deste lado de cá.

Alice Barros


A generosidade de Alice Barros (minha querida Amiga LI) perante os meus dois singelos poemas.



MusicPlaylistRingtones
Create a playlist at MixPod.com

1 comentário:

  1. Que lindo Zé, fico feliz que tenhas gostado da homenagem, tive que saltar para dentro do poema e resgatar o poema ou o poeta da dor!!!(rrs)ou (snif).
    Espero que tenha sido do teu inteiro agrado, pois como o postaste presumo que sim , o que muito me alegrou!

    Parabéns , pelos trabalhos maravilhosos e pela partilha...

    Abraço amigo

    Alice Barros

    ResponderEliminar